6.13.2018

Telstar 18: a bola oficial da Copa do Mundo inova em design e tecnologia



Em  novembro de 2017 a comissão da Fifa apresentou ao público a bola oficial da Copa do Mundo da Rússia 2018, a Telstar 18.
O nome da bola é inspirado em seu próprio design que, assim como a sua antecessora – usada  na Copa de 1970, no México e também produzida pela Adidas –, traziam  gomos destacados em preto e branco. Esse detalhe foi fundamental para dar visibilidade à bola em televisores que, na época, transmitiam imagens apenas em preto e branco. Por isso o nome “estrela de televisão”! A Copa do Mundo da Rússia será a primeira desde 1994, nos EUA, a ter uma bola nessas duas cores.



Além de apresentar uma grande releitura em questão de design, a Adidas também trouxe muitas inovações na tecnologia aplicada na bola.

Confeccionada em poliuretano e poliéster, ela tem superfície sem costuras, unidas termicamente, oferecendo melhor toque e menos absorção de água. Além da sua confecção inovadora, a Telstar 18 é a primeira bola oficial da Copa do Mundo a trazer em seu interior um chip inteligente (NFC) que permite a interação dos torcedores com a bola através de aplicativos de smartphone (disponível apenas para Android e iOS para Iphone 7 ou mais recente). Usando o APP, o torcedor consegue monitorar informações sobre jogos, placares e até os trajetos e velocidades percorridos pela bola durante o jogo.

O responsável por estrear e testar a bola foi o atacante argentino Lionel Messi, surpreso com seu design e aerodinâmica, destacou: “gostei muito do design, das cores, gostei de tudo”.

A Adidas, em sua nota oficial à imprensa, prestou sua homenagem:
“É uma das bolas de futebol mais emblemáticas de todos os tempos, utilizada por ex-jogadores como Pelé, Müller, Facchetti e Bobby Moore, por isso criar a Telstar 18 e se manter fiel ao modelo original representou um desafio realmente apaixonante”.

A Telstar 18 vai rolar oficialmente nos gramados do Estádio Luzhniki, em Moscou, no jogo de abertura do campeonato, que acontece dia 14 de junho de 2018. A primeira disputa será entre Rússia, país-sede do mundial e Arábia Saudita.

DIEGO Perez
Criação na LB Comunica
Desenhista e ilustrador, fã de games e ama gatos.



6.06.2018

Nossa relação com novas mídias



Não é novidade para ninguém que, cada vez mais, mudamos a forma que consumimos produtos midiáticos. Até porque novos dispositivos, programas, softwares e afins surgem com muita frequência.

À medida que novas mídias surgem e passam a fazer parte de nosso cotidiano, não é raro que teóricos e estudiosos façam suas previsões quanto à “morte” de mídias antigas. Como foi com a chegada da TV, que ameaçava a continuidade do rádio – o que não se concretizou – e demais previsões quanto ao uso da internet no nosso dia-a-dia.

Portanto, vamos considerar que, com o paradigma da revolução digital, novas mídias não chegam para substituir as antigas, ou torná-las obsoletas, mas sim que novas e antigas mídias vão interagir entre si, de formas complexas. É o que sustenta o autor americano Henry Jenkins que, entre outras obras, lançou “Cultura da Convergência”.

Com o simples uso de um smartphone, todos podem ser, além de consumidores, produtores de conteúdo de forma instantânea. Isso pode ser feito utilizando linguagens fáceis e adaptáveis ao público, através de plataformas próprias para a publicação de vídeos, textos e outros, sem contar a nossa participação quase que maciça em redes sociais, seja para o trabalho ou estudo, informações ou lazer e entretenimento.

As novas práticas e a forma com que nos relacionamos com as mídias são também um anúncio para o profissional de comunicação: não é viável ignorar esses formatos, tanto para produzir séries, filmes e televisão em geral, quanto para o mercado publicitário, o nicho de videogames, que movimenta quantias consideráveis de dinheiro todo ano, e até (para?) os grandes veículos de comunicação tradicionais, como jornais, programas de rádio e telejornalismo.

De maneira geral, a convergência de mídias e a participação do consumidor visam a democracia e o compartilhamento de conhecimentos com mais facilidade e tornam o processo mais simples, além de mais agradável e fluido.

LAIS Molina
Assessora de Imprensa
Ama viajar e conhecer lugares novos, mas é apaixonada pela
cidade de São Paulo.