1.16.2019

Para mulheres


Desde o princípio dos tempos existe uma discussão sobre o papel da mulher na sociedade, e com tudo isso, muitos direitos e espaços já foram conquistados, mas ainda há muito o que fazer. Em específico, o setor da publicidade costuma ser predominantemente comandado por homens, com representações estereotipadas das mulheres que não condizem com a realidade.

Nestes primeiros dias do ano, essa discussão sobre o papel e a função da mulher tem sido cada vez mais frequente em vários meios, e especificamente me levou a pensar em qual é o “papel” da mulher publicitária. Por isso, neste meu primeiro texto de 2019 para o Lblog, quero falar sobre alguns projetos de mulheres e especialmente para elas que buscam igualdade, respeito, oportunidades e representatividade no setor, também na forma de se comunicar.

Mas antes disso, seguem alguns dados sobre as mulheres nesse mercado:

- Apenas 6% das mulheres estão em posição de liderança nas agências;
- 90% das mulheres já foram vítimas de assédio nas agências;
- Menos de 20% das mulheres estão presentes no setor de criação das agências;
- 65% das mulheres não se sentem representadas pela propaganda brasileira, sendo que 85% delas tem o poder de compra em todos os setores da economia;
- 77,4% já tiveram que ignorar piada machista por medo de represália;
- 81,3% se sentiram julgadas por sua aparência;

Os projetos que vem a seguir são algumas ações que já são realizadas para quebrar as estatísticas citadas acima, e vale muito a pena conhecer cada uma:

O projeto mulheres (In) visíveis foi feito pela consultoria 65|10 em parceria com a Adobe, para criar um banco de imagens do Adobe Stock que traz a diversidade das mulheres brasileiras como protagonista. Entre elas, fotografias de mulheres negras, gordas, lésbicas e trans. O time de mulheres que fez o projeto virar realidade também conta com grandes nomes, entre eles Thais Fabris, fundadora da 65|10; Helen Salomão, fotógrafa; e Gabriela Viana, diretora de marketing da Adobe da América Latina.

More Grls é uma plataforma criada pelas publicitárias Camila Moletta e Laura Florence para divulgação dos trabalhos das profissionais nas áreas de publicidade, conteúdo e design. A missão da plataforma é fazer com que as agências assumam o compromisso de ter 50% das mulheres na criação até 2020.

O projeto Women in Digital possui a missão de conectar mulheres dos setores de marketing e publicidade através de eventos e conferências só para elas. A fundadora do projeto Alaina Shearer conta que apenas 4% dos ingressos destes eventos são reservados para homens, número esse que reflete a porcentagem de mulheres que ocupam cargos de CEOs nas empresas citadas pela Fortune 500 no ano de 2016.

A empresa de educação à distância especializada em comunicação destinada à mulheres, foi fundada pela empresária Amanda Costa e busca democratizar o conhecimento em comunicação e marketing digital com cursos online de comunicação, posicionamento de marca, marketing digital e vendas.

Fundada por Juliana de Faria, Maíra Liguori e Nana Lima, a Think Eva é uma consultoria para marcas e empresas que desejam falar com as mulheres de forma menos estereotipada, buscando a representatividade feminina e gerando uma conversa respeitosa, ao contrário do que vem sendo realizado de forma massiva na comunicação.

Programa criado em 2014 para ampliar a presença feminina no festival de Cannes, que contou com uma brasileira na edição de 2018. A redatora Jéssica Gomes passou por uma série de workshops, debates, imersão nos trabalhos criativos inscritos e trocas de experiências, a fim de fortalecer a presença feminina na indústria e nas premiações internacionais junto com outras 19 criativas de todo o mundo.

O Tumblr criado por Gabriela Ramalho e Nayla Alana traz fotos reais de agências ao redor do mundo onde existe apenas uma mulher ao redor de vários homens em suas equipes. Assim como as fotos, o projeto busca mostrar que o problema é real, e que precisamos de mais mulheres na comunicação.

É um projeto do Google que não tem o foco somente em comunicação, mas que tem como objetivo criar oportunidades para desenvolver o sucesso das mulheres ao redor do mundo.

A mulher, seja na publicidade ou fora, tem o direito de ser o que ela quiser, e não apenas definida por um papel. Seja ela mãe, profissional, dona de casa, os três juntos ou os três separados. A mulher é a protagonista de sua história. Conhecer, participar e incentivar projetos como os citados neste artigo fortalecem a nossa rede para que a nossa voz seja ouvida.

Bom 2019 para todos!


NAYARA Queiroz
Atendimento e Planejamento na Lb Comunica,
Entusiasta da cultura pop e fã de gatos, também ama
conhecer hambúrgueres e cervejas artesanais


1.09.2019

O design na música e a música no design

A relação do design com a música vai além de uma boa playlist que nos ajuda a se concentrar e ativar nossa criatividade.

Durante a história da música, já está mais do que claro que independente do gênero, o som também é visual. A presença do Design Gráfico está nos logos/tipografias usados pelos artistas, encartes de álbuns, videoclipes, visual de turnês e muito mais.

Essa aproximação não só ajudou na construção da imagem dos artistas e nos fins comerciais e de merchandising, mas intensificou também movimentos sociais. Nos anos 60 por exemplo, o design era uma ferramenta que expressava as mesmas ideias de paz, liberdade e amor que continha nas músicas da época, utilizando muitas cores e formas psicodélicas.

Pôster de Victor Moscoso para Family Dog de 1966 //  "The Beatles" por Andy Warhol de 1968

Posteriormente, nos anos 70, movido pelo movimento punk com mais agressividade na Inglaterra, uma corrente de artistas gráficos se opõe aos moldes do modernismo, focando na desestabilização da ordem.
Nessa época o Designer Terry Jones que desenhava para a revista i-D e se tornou conhecido com o design dos discos do grupo Sex Pistols. 

Trabalhos de Storm Thorgerson – Responsável pela famosa capa do álbum “The Dark Side of the Moon” e outras de Pink Floyd. Também produziu capas memoráveis para outras bandas como Led Zeppelin, The Cranberries, Muse e Biffy Clyro. 

 Curiosamente alguns ícones da música também se aprofundaram no estudo das artes, como é o caso de David Bowie, que se especializou em layout e diagramação. Mesmo nunca tendo atuado na área é possível ver influências desses estudos durante toda sua carreira.

Um grande nome da música que não poderia ficar fora desse texto, é Freddie Mercury, antes de se tornar vocalista da banda Queen, Freddie optou por cursar design gráfico no Ealing College of Art, onde ficou conhecido como um aluno exemplar.

O cantor foi quem criou o logo da banda repleto de conceitos representando cada integrante.



Os anos 80 foi marcado pelo estilo New Wave, uma década irreverente, cheia de cores e formas.

Em destaque, o trabalho desenvolvido pelo designer gráfico Peter Saville para os álbuns do Joy Division e do New Order foram fundamentais para construir a imagem dessas bandas como grandes representantes dos anos 80.

New Oder – Movement (1981) / Joy Division - Unknown Pleasures (1979)     

Com o passar das décadas, a relação entre essas duas áreas continua firme e forte. Na cerimônia anual do Grammy Awards o design/embalagem/encarte dos álbuns permanecem sendo prestigiados na categoria Best Recording Package, que já premiou diretores de arte que trabalharam em projetos para Frank Sinatra, The Beatles, The Rolling Stones, Metallica, Pearl Jam, David Bowie e etc.






1.02.2019

Assessoria de imprensa: serviço necessário para quem quer avançar nos negócios


A minha empresa ou marca precisa mesmo de uma assessoria de imprensa? Essa é a pergunta que muitos empresários fazem a si mesmos ou indagam para outras pessoas. É normal surgir esse tipo de questionamento, mas a resposta é simples e direta: se você quiser que outros saibam do seu negócio, é fundamental divulgar os seus serviços na imprensa. Claro que hoje as redes sociais têm uma força extraordinária, mas algo ser publicado na mídia em grande escala gera credibilidade para sua marca.

Quero listar aqui os principais benefícios de se ter uma assessoria de imprensa especializada para divulgar o seu trabalho:

1 - Visibilidade na imprensa;
2 - Ganho de reputação e fortalecimento da marca;
3 - Difusão de informações positivas;
4 – Possibilidade de alavancagem nas vendas/patrocínios (abre portas para possíveis clientes que nunca ouviram falar de você), apesar de não ser um instrumento de vendas, mas de criação e fortalecimento de imagem/marca;
5 – Aumento de visibilidade na internet - a empresa/nome/marca será mais encontrada nos mecanismos de busca, já que o material enviado pela assessoria é publicado em sites e portais e ficará arquivado por muito tempo;
6 – Gerenciamento de crise quando algo for publicado de maneira negativa;
7 – Apoio – você terá alguém especializado que pode te ajudar a solucionar um problema;
8 – Referência - você pode ser consultado constantemente a respeito da sua especialidade;
9 – Exposição com critério - possuir uma assessoria de imprensa gera confiança, segurança e autoestima, e ela serve como um filtro e um anteparo no atendimento aos jornalistas;
10 – Você como fonte - Conquista de autoridade no assunto;
11 – Na mídia - seu produto/especialidade/serviço/atividade se torna notícia;
12 – Orientação para falar corretamente com a imprensa.

Em suma, a sua marca cresce por atingir mais pessoas e por despertar o interesse delas. Além disso, o trabalho envolve muitas outras vantagens que não estão listadas aqui. Experimente, tente, faça o teste e veja os resultados aparecerem de forma crescente.


DIOGO Cardoso
Redação e Assessoria de Imprensa na Lb Comunica,
Jornalista pela UNIP, gosta de jogar e assistir futebol, passear com a família,
rir, viajar, e ver filmes. Preza por uma vida tranquila e de fé.