8.21.2019

Imprensa de direita x Imprensa de esquerda



Atualmente vemos uma disputa sanguinária entre os veículos que defendem uma linha editorial de direita e outros de esquerda. O jornalismo independente vem ganhando espaço na internet, e com isso o posicionamento político é abertamente divulgado, casos de O Antagonista e do The Intercept Brasil, que vivem guerreando entre si.

Quem lê esses veículos claramente percebe a linha editorial e a narrativa das notícias. É necessário entender que o “lucro” é a mais importante das ideologias para estas mídias. Muitas vezes não interessa quem está errado, mas sim quantos vão comprar ou concordar com a notícia para divulgar os crimes do oponente. Conservadores dirão que a maioria dos jornalistas são de esquerda, e o contrário também vai ocorrer, mas a grande verdade e realidade é que o jornalista quer vender o seu furo, pelo maior preço e nível de circulação possíveis.

Essa batalha de versões não beneficia em nada o Brasil. A população brasileira, que na sua maioria não se informa, acredita naquilo que lê por redes sociais, que espalham as chamadas Fake News. Com isso, a população fica desinformada e elege políticos completamente despreparados para o cargo. 

Esse confronto de direita x esquerda certamente vai se acirrar nos próximos anos. O que fazer então para não se inflamar e acreditar em mentiras? A saída é ler bastante sobre os temas, se informar, analisar, votar naquilo que acredita e ser firme com suas convicções. Não existe quem está certo ou quem está errado, existem sim maneiras de enxergar situações de formas diferentes. É preciso respeitar a opinião do outro, mesmo não sendo a mesma que a sua. Tenho amigos que divergem de minhas opiniões, mas nem por isso perdi a amizade com eles. Outra coisa importante e um conselho: discutir por rede social não leva a nada, somente a mais contendas. Guarde seu ponto de vista e fale pessoalmente, é melhor. Se não puder se expressar diretamente, não escreva nada. 



DIOGO Cardoso
Redação e Assessoria de Imprensa na Lb Comunica,
Jornalista pela UNIP, gosta de jogar e assistir futebol, passear com a família,
rir, viajar, e ver filmes. Preza por uma vida tranquila e de fé.

8.14.2019

Empresa e cliente – Dados recompensados?



Todos os dias, alimentamos o mundo com nossos dados. Ao usar um aplicativo de trânsito, ao buscar uma viagem na internet, ao solicitar uma refeição pelo smartphone, ao utilizar o cartão de crédito para uma compra qualquer, estamos constantemente contando nossa vida. Informamos a que horas e o que comemos, onde estamos, para onde vamos, o que preferimos consumir. E isso sem falar na exposição por meio das redes sociais. Abrimos tanto nossa rotina quanto os acontecimentos extraordinários a quem nos vende alguma coisa e, eventualmente, a quem tenha acesso a esses dados indiretamente, seja pelo repasse deles pela empresa com quem tivemos contato direto, seja por uma apropriação ilegal, no caso de ação de hackers. 

A informação é o bem mais valioso (ou um dos mais) que temos e abrimos mão disso cotidianamente, sem cobrar, sem cuidar. Mais: nós mesmos entregamos esses dados, fornecemos em troca de novas comodidades trazidas pela tecnologia.

Se você procurar um pacote de viagem pela internet, vários sites ficarão enviando mensagens e ofertas para aquele destino, durante algum tempo. Os players do mercado saberão para onde você quer ir, em que época do ano, com quantas pessoas, de que faixas etárias. Assim, com os seus dados somados a de muitos outros, poderão tomar decisões estratégicas para seus negócios, como oferecer mais pacotes para aquele lugar, aumentar preços pela alta demanda, abrir novos serviços relacionados à localidade pesquisada.

Lembro de ter participado de pesquisas de opinião, em que uma marca chamava um grupo de pessoas (por exemplo, meninas adolescentes) antes de lançar um produto. Se querem colocar um novo sorvete ou um absorvente no mercado, reúnem potenciais consumidores  e pedem opinião sobre a embalagem, o formato, o texto e os personagens escolhidos para o comercial de TV. Feita a pesquisa, a empresa que a conduzia oferecia um brinde ou até pagamento em dinheiro pelo seu tempo e opinião.

Hoje, companhias até podem se valer de pesquisas, mas buscam novas formas de saber mais sobre seus clientes atuais e potenciais. Nos últimos dias, divulgou-se na imprensa matéria sobre empresa que aposta na experimentação grátis de vários de seus produtos. Outra notícia veiculada há poucos dias falava de tecnologia para obter certas informações, como um sensor dentro de fraldas descartáveis. O objetivo revelado é de que seja útil para mães e pais monitorarem o sono e a higiene de seus bebês.

Mas, em tempos de maior preocupação com a cibersegurança e diante da Lei Geral de Proteção de Dados (a LGPD, Lei n⁰ 13.709/2018, que entra em vigor em 2020), qualquer coisa ligada à internet apresenta o risco de ser acessada por terceiros. Daí, surgem vários questionamentos pertinentes: 
- Como proteger os dados de quem nem pode dar consentimento para seu uso, como os bebês e menores de idade?
- Quais as precauções possíveis que o consumidor pode tomar para evitar fornecer dados que possam prejudicá-lo?
- Para uma empresa, como construir e manter uma relação de confiança com seu cliente em relação à proteção de dados?
- Como o consumidor deve ser “recompensado” pelas informações úteis que transmite à empresa, que vai utilizá-las para ter mais sucesso em seu negócio?

São tempos difíceis e questões delicadas. Novos perigos e pouco cuidado, até o momento.


ADRIANA Gordon
Coordenadora de redação da LB Comunica,
Advogada e mãe em tempo integral

8.07.2019

A balança emocional


O quesito “emocional” na gestão de carreira não é importante somente para nós, profissionais de comunicação, mas para todas as áreas em geral.

Mas como comunicadora, que vive nessa rotina maluca das agências, pergunto: como eu, que lido com prazos, cobranças, alterações e todas as emoções possíveis no dia a dia, consigo manter um emocional saudável? E por que ele tem que ser saudável?

Vamos lá, invertendo a ordem começamos respondendo à segunda pergunta: ele tem que ser saudável pela questão óbvia de que você não deve se deixar ficar doente por conta de trabalho, você precisa ser a sua prioridade! Não adianta nada você produzir de maneira insana e estar exausto, irritado, chateado, etc, porque uma hora seu corpo vai parar. Lembro de uma época em que caí na ilusão do “deixa comigo” e estava fazendo mil coisas ao mesmo tempo, e meu corpo foi parando aos poucos sem que eu percebesse. Primeiro veio a falta de memória, depois o consumo excessivo de café, os choros sem motivos, etc. E por que eu estava fazendo tudo isso? Tentando dar conta de coisas que obviamente eu não podia? E claramente, por estar tão exausta não fiz o meu melhor trabalho, sendo que simplesmente eu devia ter sido sincera comigo mesmo e pedido ajuda. 

A grande verdade é: talvez você nem tenha tempo para ler este texto até o final, mas se tiver espero que você olhe mais para você, não somente em momentos difíceis, comece agora. 

Nós não somos super-heróis, e se até eles têm suas fraquezas, quem sou eu para querer dar conta de tudo? A área de comunicação é uma loucura, todos estão sempre ligados no 220V, você precisa dar conta de todos os projetos, da demanda diária, de ter networking, da sua vida pessoal, de estar antenado e ainda precisa ter uma mente criativa para produzir mais. Mas como fazer tudo isso se você não olha com carinho para a peça mais importante de tudo, que é você?

Não é fácil implementar esse autocuidado, mas você precisa pelo menos tentar. Ao atender a toda essa demanda, esquecemos que cuidar da nossa saúde é essencial. Então o que eu quero dizer é: pare de vez em quando. Respire, peça ajuda. Tenha um tempo seu para fazer aquilo que você gosta, leia um livro, respire ar puro, conte até cinco. Pode ter certeza que esses momentos de relaxamento farão total diferença no seu dia a dia, na sua saúde e até mesmo na sua produtividade.

NAYARA Queiroz
Atendimento e Planejamento na Lb Comunica,
Entusiasta da cultura pop e fã de gatos, também ama
conhecer hambúrgueres e cervejas artesanais