2.20.2019

Mania de você...


Trabalhar com diversos porta-vozes dentro de um mesmo cliente e/ou função é um grande desafio, tendo em vista que uma “fonte”, a chamada linha de frente da empresa com a imprensa, nunca é igual a outra. Por mais que todos estejam alinhados com as políticas comunicacionais, de ética e de qualidade da empresa que representam, quase sempre as particularidades se sobrepujam às similaridades.
Ao assessor de imprensa imbuído nesta situação cabe, indubitavelmente, estabelecer de forma rápida e precisa a análise de cada perfil, separadamente, além de parâmetros de confiança que sejam suficientes para determinar, sem contratempos e espera exagerada, para qual porta-voz uma determinada demanda de imprensa será enviada, tudo de olho no atendimento ao jornalista para não perder o timing da pauta e o deadline.
Com suas manias e excentricidades e seguindo as orientações do assessor de imprensa, os porta-vozes buscarão, à sua maneira, atender o jornalista da melhor forma possível. Nestes anos à frente da comunicação, já vi diversos perfis de fontes, aos quais destaco alguns:
a)            O “responde-rápido” é a alegria do assessor de imprensa. Este, não importa a complexidade do tema, o prazo, o veículo, sempre estará à disposição para atender os jornalistas, independentemente de, às vezes, precisar parar o que está fazendo para estudar o assunto ou falar ao telefone;
b)           O do “briefing detalhado” é aquele profissional que, ao chegar uma demanda de imprensa por e-mail ou telefone, sempre solicita o máximo de informações sobre a entrevista ou a proposta e o teor da matéria. Geralmente, é minucioso, detalhista e com grande expertise, o que, por certo, cativa o jornalista do outro lado da linha;
c)            O “ocupado, de agenda cheia”, como a própria característica remete, é aquele que temos que batalhar bastante para aparecer na mídia. Quase sempre, para dar emoção ao trabalho da assessoria de imprensa, esta fonte é um expert em sua área de atuação, o que faz com que valha a pena insistir para participar, pois de antemão saberá que o resultado será excelente;
d)           O “inseguro” é um caso típico, que ocorre quando o cliente não tem familiaridade com o contato com a imprensa e/ou sente que não está apto para a conceder entrevista ou para falar sobre determinado assunto. Este caso requer traquejo especial, quando temos, com parcimônia, que explicar os mecanismos da entrevista e da importância de aparecer no veículo. Às vezes, com media training. Tirar a insegurança de um porta-voz é recompensador.
A correria do dia a dia da agência de comunicação impõe outro desafio, não menos importante, e que também está diretamente ligado ao perfil de cada “fonte”: o de equilibrar a balança da aparição na mídia. Se por um lado ter o porta-voz de confiança é essencial para o rápido atendimento aos jornalistas, por outro “esquecer” uma fonte do cliente pode trazer alguns problemas internos e externos.
No nosso leque de fontes, é preciso entender cada porta-voz, suas manias e rotinas. Se o assessor de imprensa conseguir criar um vínculo de amizade profissional e confiança, é provável que aqueles “linha de frente para a imprensa” se transformem no tão sonhado “responde-rápido”. 


MARCOS Vargas
Redação e Assessoria de Imprensa na Lb Comunica,
Rockeiro e palmeirense, fã de livros biográficos e sobre política

2.13.2019

O que fazer quando o cliente não sugere ou não responde às pautas?


A vida de um assessor de imprensa não é fácil, principalmente quando as atividades dele são ativas, ou seja, ele precisa ir atrás dos veículos de comunicação para colocar o seu cliente em evidência. Nesses casos, um entrave pode ser a falta de aprovação do cliente em determinada pauta ou simplesmente não ter pautas para trabalhar. A pergunta que fica é: O que fazer nestes casos? Aí entra a criatividade e persistência do assessor. O segredo é não desanimar diante das circunstâncias.
Uma saída interessante, embora não seja possível sempre, é oferecer o seu cliente para os jornalistas como fonte, apresentando as qualidades dele e que podem ser úteis para as reportagens. Por exemplo, procure temas que o seu cliente goste de tratar. Pegue esse assunto, pesquise se algum jornalista já abordou ou ainda vai abordar e ofereça o seu cliente como fonte para a matéria que o veículo esteja realizando. Se o repórter já divulgou o conteúdo, procure alternativas para apresentar a questão de outra maneira.
Nessa situação é essencial ter paciência, pesquisar bastante, seguir seu feeling, saber com quem irá falar, entender pelo menos um pouco do assunto, conhecer bem o cliente, não ter medo de arriscar, estar disposto a ouvir um “não” e ter em mente que nem todos os jornalistas vão responder os seus e-mails, mensagens ou telefonemas. Mas também é fundamental se motivar diariamente, porque a qualquer momento algum jornalista pode gostar da sua sugestão.
Encerro dizendo que a principal ferramenta do assessor de imprensa é a motivação. Ele, todos os dias, precisa acordar e falar consigo mesmo: “Vamos, anime-se. Hoje vai ser melhor do que ontem. Tenha coragem. Persista”. É necessário que este profissional se incentive a todo instante. Nem sempre é fácil, mas é possível.


DIOGO Cardoso
Redação e Assessoria de Imprensa na Lb Comunica,
Jornalista pela UNIP, gosta de jogar e assistir futebol, passear com a família,
rir, viajar, e ver filmes. Preza por uma vida tranquila e de fé.

2.06.2019

Ano novo, marca nova?



Quando é hora de atualizar a identidade visual do seu negócio?

O logotipo é o primeiro contato que o seu possível cliente tem com a sua marca. Seu papel principal é transmitir de modo estratégico formas e desenhos que remontem o segmento do seu negócio gerando uma identidade a marca.
É comum que no início da empresa o desenvolvimento do logotipo não seja o seu foco principal e talvez o mesmo tenha sido escolhido primordialmente por suas características simpáticas e funcionais.

Agora, com seu negócio consolidado, talvez seja hora de repensar sua identidade, transmitindo de fato a confiança e a expertise que sua marca ou produto possui.

Quando é a hora de atualizar a identidade da sua empresa e quais benefícios isso trará a mesma?

Listamos abaixo alguns itens que tem como objetivo te fazer refletir se de fato o seu logotipo tem cumprido sua missão de impactar e comunicar de forma eficaz a essência de sua empresa.

1) Seu logotipo transmite com clareza o serviço ou segmento de sua empresa? Pergunte a um terceiro a imagem que o seu logo transmite. Se de cara o logo não apresentar em sua composição o serviço que sua empresa vende. Repense em torna-lo mais familiar e característico ao seu produto como uma jogada estratégica.




 2) Seu segmento de serviço é o mesmo desde a fundação da empresa? É comum com o avanço do mercado que algumas empresas se adaptem e até mudem o foco de seus produtos a fim de buscar novos públicos. É importante que sua marca também acompanhe estas mudanças a fim de expressar aos seus clientes o segmento atual da empresa.

3) Marca forte x Fidelidade. Assim como as empresas e seus serviços evoluem, os conceitos de design gráfico também evoluem a fim de estar sempre por dentro das tendências criativas do mercado. Estas, quando corretamente aplicadas, transmite uma sensação de empresa moderna e antenada com as tendências do mercado.
Para um impacto correto e eficaz, é importante que a identidade visual da sua marca esteja sempre atualizada. Para isso, procure sempre se informar sobre as tendências atuais de design e é claro, conte sempre com um bom profissional da área para auxiliá-lo nesta jornada.


 4) Atualize de tempos em tempos. Não há um limite de tempo para atualizar a marca da sua empresa, porém reflita dentro de um período de 5 anos como as coisas evoluem: Computadores, sites, smartphones, carros. Estas evoluções também acarretam mudanças de comportamentos. Observe se o seu logo acompanha essas tendências e se comunica de forma eficaz com este público.

5) Atualizar sem perder a essência. É importante preservar a história, valores e cultura organizacionais da sua empresa. Ao atualizar uma marca, verifique quais valores são importantes de se manter. Existem empresas com uma marca tão forte que não vale a pena mudar totalmente, mas sim apenas atualizar seus conceitos se modernizando conforme o mercado. Assim não será uma marca completamente nova, mas que o público olhe para ela e perceba que é a mesma empresa, porém com uma cara atualizada.

A necessidade é sempre o fator principal na hora de atualizar uma marca ou não. Os motivos mais comuns para uma atualização são fusão ou aquisição de outra empresa, atualização de logo ultrapassado que não comunica mais os segmentos atuais, novos públicos, novos mercados ou novos produtos.



DIEGO Perez
Criação na Lb Comunica,
Formado em Design Gráfico, é desenhista e ilustrador desde sempre!
Fã de games, gosta de gatos e seus estilos de músicas
favoritos são heavy metal e hardcore.